28 dezembro 2010

Pra não esquecer

Uma rapidinha espertinhada Gabi, pra ficar na memória:

Hoje de meio dia:

'-mamain, caxoiooo
-cachorro filha?
-é, caxoio queeeenti'


Viajamos no feriado pra casa da sogra, assim que passar as fotos mostro pra vocês o 'nick' e a felicidade da criança.


P.S: ontem era aniver da mamãe aqui, TODO mundo me deu parabéns, MENOS a minha filha amada. Mereço?

23 dezembro 2010

Boas festas!

video

Esse vídeo é na verdade uma propaganda da Coca-Cola, mas as palavras do vovôzinho são lindas e nos mostram o quanto devemos ter esperança e crer em um mundo melhor!


Feliz Natal!!

(vamos estar viajando no feriado, então cuidado nas estradas, e não bebam e nem comam demais meninas)

17 dezembro 2010

A primeira noitada

Hoje a Gabi teve sua primeira ressaca. Não, a única coisa que ela bebeu foi água, mas quem olhava pra carinha dela jurava que havia tomado um porre. Ontem aconteceu a festa de fim de ano da Caixa, onde eu fiz estágio até Fevereiro. Como sou muito querida (oi?) fomos convidadas mesmo não estando mais lá. A janta foi na associação, um lugar bem legal.

associação dos funcionários da CEF

Chegamos ali pelas oito horas e ela começou a correr. E correu, correu e correu. Pulou, se jogou no chão, dançou e brincou com todos os tios que estavam lá. Aí descobriu a churrasqueira e que lá tinha tomate e linguicinha, aí passou a pedir toda hora pro 'tio pauio' pra comer. Acho que ela comeu uns três tomates em rodela, isso antes da janta!

fazendo careta pra Carol

Depois de jantar, achei que o sono iria vencê-la, afinal já tinha passado da hora dela dormir. Que engano! Ela continuou correndo e brincando com todo mundo, até que descobriu a mesa de sinuca! Foi a descoberta do século! Ela abria a gaveta, colocava todas as bolas na mesa, aí pedia pro 'pepe' colocá-la em cima da mesa e ia encaçapando todas as bolas. Acho que ela fez isso umas 180 vezes, e cada vez ela pedia pra uma pessoa diferente ajudar, inclusive muitos ela nem conhecia, mas ia lá, pegava pela mão e levava na mesa junto com ela.

'mamain, as boia. Osa, oxa, vemeia, peta'

E assim ela foi até as duas da manhã!! E quando disse pra ela guardar os brinquedos que a gente ia pra casa, ela começa chorar e gritar 'naauuum, pa caza naaaumm, bincá boia com pepe'. Foi um escândalo, foi chorando até a cadeirinha. Assim que o carro arrancou, olhei e ela já tava dormindo. Ela não acordou quando desceu do carro, nem quando coloquei o pijama ou quando foi pra cama. Só acordou no outro dia, as dez da manhã e com cara de ressaca! Passou o dia meio down, deitadinha no sofá e querendo só os backyardigans.

E assim foi a primeira 'noitada' da gabi, com dois anos! Mas na próxima a mamãe vai levar ela pra casa mais cedo, ainda é muito nova pra amanhecer na rua!

14 dezembro 2010

Apresentação final de ano!

Hoje foi a apresentação de final de ano na escolinha da Gabi. Eles, por serem os menores (o berçário) cantariam uma música batendo palminhas. Mas como disse a prô, ensaiando na sala de aula todos faziam, agora na hora... uns bateram palmas, outros só olhavam e a Gabi, bom, a Gabi chorou. Ela entrou bem lindinha, de mão dada com a Prô, mas logo se assustou e não quis mais ficar...aí quando ela me viu tirando foto começou a chorar desesperadamente e gritar 'mamaiiinnnn'... Enfim, passamos a primeira, e que venham as próximas!

Caiã, Robson, prô e Gabi

Jade, Prô Marta, Caiã e Robson

Gabi assustada com tantos papais e mamães


E nessa ela me enxergou e se foi a apresentação!

E mais um ciclo se fechou, Gabi agora pertence ao Maternal I, chega de berçário... Semana que vem começam tanto as férias da pequena quanto as da mamãe aqui, aí só falta o papai e se mandar pra passar o Natal na casa da vovó!

Atórooonnn final de ano, principalmente por que vende panetone em qualquer esquina e eu AMO panetone demais! Então meninas, vamos aproveitar a época linda!

Beijos

13 dezembro 2010

E aí que acabaram as aulas, mamãe passou em todas as matérias, e toda aquela coisa. Até aí tudo bem, principalmente por que todas as companheiras já apresentaram o TCC e foram aprovadas com louvores. E, mesmo eu dizendo que é melhor esperar mais seis meses e me formar com mais calma, deprimi, já que faltam 25 dias pra formatura e eu não tá lá, em cima do palco... Vejo todo mundo com mil planos e preparações, e a única dúvida que eu tenho é com qual vestido eu vou e como vou a cinco festas ao mesmo tempo.

Tá, eu sei que não adianta reclamar, que eu escolhi assim e blá, blá, blá, mas bem no meio do inferno astral, então me permito um hiato no assunto Gabi desse blog, afinal ela sabe que a mamãe não tá sempre rindo e se fazendo de palhaça.

Pois bem, férias chegando (última semana antes do recesso - parte boa de trabalhar com o judiciário - e aí só ano que vem). Outra notícia ruim (só pra mim) é que o Chefe se vai pra outros pagos em janeiro. A cidade natal dele fica a 700 km daqui, então ele uniu o útil ao agradável e pediu remoção pra capital e, consequentemente mais perto da mamãe... E aí eu fiquei triste pois mesmo trabalhando com ele há apenas dez meses a gente já criou uma sintonia de trabalho muito boa, além dele ser uma pessoa mega legal ( e me trazer presente quando viaja =P). Some-se a isso o fato de que eu não sei com quem trabalharei (tem opções péssimas) e tá feita a tempestade...

Enfim, só um pequeno desabafo nesse final de ano, e que venha 2011 com melhores opções!

25 novembro 2010

Rapidinhas

♥A nova comida favorita da Gabi é "boiaxa com eite". Sim, papinha de bolacha Maria com leite, o que ela comia com uns seis meses. Esses dias ela não queria comer nada, aí me lembrei de fazer e ela apaixonou!

♥Depois dos dvd's do palavra cantada, que quase furaram de tanto tocar aqui em casa, agora é a vez dos Backyardigans, com direito a dança e milhares de bonecos pendurados cada vez que sai de casa...

♥Sábado papai e mamãe foram em uma festa, e Gabinha ficou na casa da 'tia mauien'. Dormiu a noite toda, não chamou a mamãe quando acordou e quando fomos buscá-la, ali pelas dez da manhã, ela NÃO queria vir embora!!! Me senti abandonada!(só um pouco dramática ?)

♥Semana passada tivemos consulta da Gabi. Tudo bem, e pela primeira vez ela não chorou! Consultamos sempre em um ambulatório da faculdade aqui de Passo Fundo. Funciona assim, os estudantes (dois ou três) examinam, perguntam, medem e pesam. Depois chamam a pediatra, que é a professora, relatam tudo e eles decidem juntos o tratamento ou se está tudo bem. Acho ótimo esse sistema, e sempre fomos bem atendidos lá. A única coisa é que a Gabi continua nos dez quilos. Dessa vez foram dez quilos e cem gramas! Ela tá dentro do normal pra ela, já que o papai e a mamãe não são muito altos, então ela nunca jogará basquete.

♥Ela agora se chama de 'bagui', e o nome da mamãe é 'amana' e do papai é 'pauio'. Diz o 'poico', o gato, o 'caxoio' e o 'cavaio'. Perdeu o medo do 'papai ieiel', e diz que as bolas da árvore de natal são de 'futitibou'.

♥Falando em futebol, sábado ela mandou o papai toma 'banhiu' que ele tava 'fidido' do 'futitibou'... Foi o máximo!

♥Anda bem desobediente, mas a técnica da cadeirinha de castigo tem funcionado. Às vezes ela fica fazendo gracinhas e aí não posso olhar, se não dou risada e se vai o castigo, mas acho que é coisa da idade ?!

♥ Desculpem o sumiço, mas a mamãe conseguiu pegar uma conjuntivite na semana das provas finas... É muita sorte ? A Gabi já teve duas e o marido também, e não peguei em nenhuma das vezes. Agora que não tem ninguém doente, eu peguei. Sou premiada mesmo...

16 novembro 2010

Tagarelando!

video

Não dá pra ver nada, mas o aúdio da minha pequena imitando os bichinhos é bem legal!
Só não reparem na voz da mamãe aqui, não é tão estranha assim ao vivo!

09 novembro 2010

Selinho!




Ganhei esse selinho da Rebeca, e adorei! Pelo que entendi tenho que falar alguma coisa sobre ela. Bom, a primeira coisa que me chamou a atenção foi o nome do blog, pois no momento estou alucinada por aprender mais sobre PN, para que o próximo(daqui a alguns anos) possa ser bem tranquilo (e quem sabe domiciliar, veremos).
Lendo o blog dela(sim, li tudo até o relato de parto) descobri uma mulher guerreira e com uma família linda, e me identifiquei muito. O Guilherme é um legítimo bebezão(parece aqueles bonecos lindo que eu queria quando criança) e tá cada dia mais lindo e esperto.
Acho que era isso, adorando acompanhar essa aventura!


P.S: A regra era indicar outros blogs, mas sou péssima nisso, então deixo a vontade pra quem quiser pegar!
Beijos

08 novembro 2010

Agente especial Gabriela



"Meu nome é coski, Gabriela Gutecoski. Se procurássemos uma agente infantil disfarçada e infiltrada na nossa casa, esse é o nome da agente especial que ouviríamos, conhecida pelos codinomes de 'pepeca da mamãe, sonho da vovó e herança do vovô'.

Essa pequena agente foi treinada no mais alto padrão da guerra terrorista contra sua mãe,e é capaz de em segundos transformar um simples banho numa terrível batalha sob as águas, com o uso dos mais violentas armas. Também foi treinada nas forças especiais para ser uma excelente mestre nos disfarces e esconderijo nos mais remotos sofás, debaixo das mesa e até nos cobertores. Também passou por aulas de etiquetas finíssimas pois já usa o garfo com grande maestria, porém quando está em missão a mão é seu único utensílio de alimentação para substituir o uso desnecessário do garfo ou colher.

Na escola já lidera um pequeno grupo de novos espiões sobre seu comando, que pretendem depor a Diretora de seu poder e tomar o comando da creche. Seu ultimo inimigo, o colega João, ela conseguiu despachar para outra turma e desde então não se tem mais noticias sobre ele.

Gabriela também esta formada nos estudos forenses e nas técnicas de tortura. É campeã em atribuir a culpa a outras pessoas, e sempre defende veementemente sua inocência usando a negativa da palavra ‘Não’. Nem sob tortura ela admite as artes produzidas.

Porém essa semana surgiu um novo poder sobre essa espiã. Sua mãe tomou coragem e enfrentou a fera e o resultado foi muita risada de minha parte, ao ver Gabriela emburrada de um lado e a Amanda com um beiço enorme do outro, as duas não se davam um oi sequer. Tive que sair para o trabalho então não vi o desfecho do dia.

Só lembrando que sou autoridade máxima e que poucos sabem é que fui o instrutor e formador dessa agente quase secreta especial chamada Gabriela.”



P.S: Sim, ontem a mamãe foi a carrasca. A Gabi simplesmente não me obedece mais, então ontem fui bem dura com ela. Quase morri do coração, mas disse pra ela que enquanto ela não obedecesse mamãe não ia pegar ela no colo. Fez um beiço lá na canela e foi brincar. Depois veio com beijo e abraço, e beeeem obediente. Tô começando a usar a técnica da Super nany da cadeirinha do castigo, e hoje funcionou. Veremos o andamento da batalha entre mamãe e agente Gabriela.


P.S. 2: Tô mega ausente dos blogs, mas andei fazendo duas provas de estágio muito concorridas (e que pagam o dobro do meu salário) e estava imersa em livros e cadernos. Prometo voltar aos comentários e visitinhas! beijos

26 outubro 2010

O céu está em festa


Iria aproveitar que não tinha aula hoje fazer uma postagem bem bonitinha, mas acabei de ver que o Theo foi fazer companhia ao papai do céu.

Não existem palavras nessa hora, apenas a sensação de que ele veio e cumpriu sua missão, não só com sua família mas com todas nós, mamães que acompanhavam sua caminhada. E como disse a Aline, Theo está lá, brincando, rindo, sem dor, sem sofrimento!

Força e fé Aline!

21 outubro 2010

Minutos que valeram toda uma vida

Hoje mais um post do papai:

"Sabe minha filha, hoje acordei e pensei 'vai ser um dia normal, irei te levar para creche, o papai vai para a faculdade e só vamos nos ver a tarde, na hora em que eu irei te pegar na escolinha'. Pois bem, era para ser assim mas não foi, pois na noite passada você tossiu muito, e hoje quando acordei pensando que ia ser tudo igual, na hora me veio um pensamento de deixar você em casa e passarmos a quinta feira juntos. Como diz a música que você adora:

"brincar, dançar,saltar, correr, Meu Deus do Céu onde é que eu vim parar."

A mamãe foi para aula e nós ficamos assistindo o dvd do palavra cantada. Dançamos e cantamos e fizemos igual ao teletubies "de novo-de novo" e então repetimos o dvd, dançamos e cantamos tudo novamente. Depois brincamos com as bonecas, e quando vimos já era meio dia e você quis dormir.

Papai foi fazer o almoço e fez batata frita que você adora, um ovo com a gema mais molinha pra comer com arroz e você, Gabriela como uma adolescente de 1 ano e 10 meses que é, quis comer sozinha. Foram alguns minutos ali na tua cadeirinha, quando você tossiu e parou de respirar, falei com você, e você amoleceu na sua cadeira quando peguei no meu colo você não me olhava e desmaiada estava que começou a ficar rocha pois não respirava. vi que você estava engasgada te coloquei de bruços e apertei teu estômago na tentativa aliviar tuas vias aéreas, mas você não reagia e não se mexia mais estava muito roxa, e até pensei no meu intimo,"não gabi, você não pode partir agora". Mas na primeira respiração que fiz, você respondeu e colocou pra fora aquilo que te sufocava.

Sei que você chorou, e deitou e quis dormir, depois quis colo, e assim tão de repente você quis brincar e comer batata. Aí a mamãe chegou. Acho que ela ficou brava, e ainda falou que se você tivesse ido para a creche nada disso teria acontecido. Talvez eu seja um péssimo pai e deveria ter deixado você ir para escolinha como a gente faz todos os dias.

Mas fico pensando, e se tivesse acontecido lá, será que as professoras teriam agindo rápido? Será que elas não entrariam em pânico, será, igual a vez que você fez um quadro apinéia, e também quase matou tua mãe e tias do coração? Será que elas saberiam fazer as manobras para te salvar, aquelas que o papai aprendeu quando fez o curso de auxiliar de odontologia muitos antes de você existir?

Bom não tenho essas resposta mas, independentemente do que poderia ter acontecido, tudo ocorreu como deveria ter ocorrido, ali comigo do teu lado. Hoje lembro daqueles dias que morei em Porto Alegre, onde enfrentei chuva, frio, falta dinheiro, sem ter um lugar certo para morar, e dias de fome que passei, com uma única certeza de completar meu curso. Se eu soubesse que tudo aquilo era preciso enfrentar para poder salvar você, eu enfrentaria em dobro.
AMO VOCÊ MINHA FILHA."


Nota da mamãe: Sim, eu quase morri de susto. E não, eu não fiquei brava, mas muito assustada com o que tinha acontecido. Deixei a narrativa sem edição, bem como o papai escreveu, mesmo que cada vez que eu leia caia uma lágrima. Amo muito esses meus 'pequenos', e acho que não saberia viver sem nenhum deles. Graças a Deus não passou de um susto e eu não estava em casa, pois engasgaria junto!

13 outubro 2010

Sumiço!

Acabei de perceber que o bloguinho tá abandonado! Mas é por uma boa causa, tô na época de provas na faculdade, aí fica difícil conciliar tudo...
Acabamos por não viajar no feriado, mas curtimos e passeamos bastante, com idas à casa da 'bisa', do vô e do tio, provando mais uma vez que a Gabi ama a família que tem. Ela ganhou um piniquinho de uma das tias, e passou o tempo inteiro tirando a calça pra sentar nele, o que não significa que ela tenha, realmente, feito alguma coisa. Pelo jeito o desfralde vai esperar até as férias da mamãe.
Ainda estou devendo as fotos da última ida à casa da vó (paterna, que mora no interiorrrrr), mas ainda não vieram pro computador, mas prometo mostrar a Gabi sujinha de terra assim que der!

Bom, por hoje é só que ainda tenho um trabalho pra concluir e entregar (e apresentar) no sábado! Vou postar uma montagem da Gabi no fim de semana brincando na 'nova' casinha (ela descobriu que pode entrar embaixo da mesa e brincar muito ali).

Beijos!



P.S: mesmo atrasado, um feliz dia das crianças pra todos esses 'sobrinhos virtuais' que eu acompanho todos os dias!

02 outubro 2010

O por que eu amo

Acabei de receber o seguinte comentário no relato de parto:

"Bom dizem que eu sou o pai, atendendo a vários pedidos para postar no blog, hoje resolvi escrever algo. São exatamente 19:36 e ainda me lembro como fosse ontem que tudo isso aconteceu, cada detalhe esta bem vivo em minha mente, a suposta colorada Gabriela, nasceu já usando as cores do manto sagrado Azul, menina do sorriso maroto das perguntas pertinentes e das afirmações que tudo é dela.
O auau, miau, binter, emio, miã miã, e a principal palavra que ela gosto de pronunciar "não", coisa de criança. Hoje dona Gabriela é minha amiga, filha e fiel cúmplice nas artimanhas que inventamos, desde de cantar 'criança não trabalha' para eu me eximir de lavar a louça até 'Fome come fome come, Se vem de fora ela devora ela devora ela devora' e bate bate que vamos para à cozinha fazer algo. São quase dois anos que esse pequeno Grande ser esta no mundo, não vou prometer nada daquilo que eu não possa fazer, e continuarei sempre te amando Gabriela."


Preciso mesmo dizer mais alguma coisa? Te amo!!





P.S: em tempo, 'binter e emio' são inter e grêmio, uma das únicas 'disputas' que existem entre o papai e a mamãe da Gabriela.

21 setembro 2010

Luisa




Esses dias eu me senti a pessoa mais especial do mundo. Isso porque a Val, que é uma pessoa mega querida, me escolheu de 'doula virtual'. Passamos horas conversando pelo twitter, e eu deixei todo o meu trabalho de lado pra acompanha-la. Foram momentos muito especiais, a cada DM que ela mandava me contando as novidades eu dava um pulo na cadeira.
E chegou a hora da Luisa nascer... Na verdade ela não respeitou muito a vontade da mamãe de querer um PN, e mexeu na pressão dela e tiveram que fazer uma cesárea, mas nada que abalasse a nossa felicidade.
E Dona Luisa nasceu dia 15 de setembro de 2010, às 12:09 da tarde, pesando 3,065 kg e 47 cm, trazendo felicidade para titias reais e virtuais. E dessa vez eu quase caí da cadeira, literalmente.

Então era isso, essa pequetita nos trouxe muita felicidade e muitas alegrias, fazendo meu mês mais feliz. Deixo aqui uma música linda, que escutei a primeira vez quando do nascimento da minha irmã Luiza, mas que encaixa pra essa pequena também:

"Por ela é que eu faço bonito
Por ela é que eu faço o palhaço
Por ela é que saio do tom
E me esqueço no tempo e no espaço
Quase levito
Faço sonhos de crepon

E quando ela está nos meus braços
As tristezas parecem banais
O meu coração aos pedaços
Se remenda prum número a mais

Por ela é que o show continua
Eu faço careta e trapaça
É pra ela que faço cartaz
É por ela que espanto de casa
As sombras da rua
Faço a lua
Faço a brisa
Pra Luisa dormir em paz"

14 setembro 2010

Relato de parto

Dando uma lida hoje no blog percebi que nunca postei um relato de parto aqui. Andei dando uma olhada nos meus 'escritos' e percebi que realmente eu não fiz! Então, aí vamos nós ao dia G:

Lembro de ter acordado na quarta feira 26 de Novembro de 2008 como em todos os outros dias, com uma festa dentro da barriga. A Gabi sempre acordou antes da mamãe aqui, e fazia A festa, principalmente se papai conversasse com ela. Lembro que eu tinha prova de Direito Penal na quinta feira, então estudei um pouco(não tinha aula na quarta, já havia passado naquela matéria), arrumei a casa e fiz almoço. Esse tempo todo eu sentia uma dorzinha nas costas, bem na parte da bacia, mas achava que tinha dormido mal ou que a barriga tava muito pesada, e nem dei muita bola. Coloquei minha inseparável legg de 'fim-de-gestação', blusa rosa e minha melissa favorita e fui trabalhar. Cheguei na Rejur(Representação Juridica da Caixa Federal), bati meu ponto e comecei a conversar com a Mari e o Mesa, dois colegas estagiários. Lembro nitidamente da Mari dizendo que a Gabi ia nascer logo pois meus pés tinham inchado. Ela não tinha idéia do quanto estava certa!
Trabalhei a tarde toda sentindo a dorzinha nas costas, e de vez em quando algumas cólicas. Mas eu tava tão confiante na contagem da médica (e achando estar de 36 semanas) que nem imaginei que eram contrações, no máximo as 'Braxton Hicks' (contrações de treinamento). Ainda sentindo a dorzinha encerrei o expediente às 6 da tarde, passei na sorveteria e fiz meu caminho para casa, 15 minutos de caminhada. Depois, subi os quatro andares do nosso prédio e cheguei em casa como todos os dias, cansada e com muito calor. Maridão já tinha chegado e me mandou deitar, que talvez melhorasse, ofereceu um remedinho pra dor, mas eu não quis(devia era ter aceitado, mas...).
Deitei e foi aí que eu percebi que sim, estava com contrações. Elas tinham um intervalo de 8 a 10 minutos, e começaram a ficar mais doloridas. E tinha a dor nas costas, minha inseparável companheira desde as 8 da manhã. Aí eu me apavorei e comecei a pensar se esperava a bolsa estourar ou corria pra maternidade(coisa de mãe de primeira e sem nenhuma experiência nessa parte logística).
Chamei o Paulo e disse que queria ir, nem que fosse pra ver se estava tudo bem. Pegamos as malinhas (arrumei a minha na hora, não tinha nem comprado um pijama decente, fui com os normais mesmo...) e fomos pro Hospital São Vicente de Paulo. Chegando lá, antes de internar, fui pro toque: 2 cm, bolsa intacta, colo amolecendo. Pedi pra ir pra casa, mas a platonista pediu pra mim esperar umas duas horas, faríamos novo exame e caso não houvesse progresso, poderia dormir em casa. Ali pelas 11 da noite novo exame, colo mais macio e mais um dedinho. Pedi alguma coisa pra comer, mas já tinha passado muito da janta, aí ganhei um bolo inglês, bolachinhas e suco de laranja. Lembro que cochilava entre as contrações enquanto o marido conversava com outro casal. Ali pela 1 da manhã, novo toque e mais evolução, 4 cm! Dra decidiu me mandar pro centro obstétrico, pois ali onde estávamos era muito movimentado. Maridão fez a internação e lá fomos nós, eu já lindona na camisolinha azul. Chegando no C.O duas enfermeiras mega queridas, e só nós lá. Elas me mostraram a sala de cirurgia, a sala de PN e onde eu ficaria, um pré e pós parto com bola suíça, massageadores, cadeira de cócoras e tudo mais. Tentei dormir um pouco, mas tava difícil. A cada contração pedia pro marido massagear as costas, o que mais doía. E olhava pro relógio, muitas e muitas vezes.
Às 4 am a médica veio de novo, e aí o toque foi punk, já que ficar deitada dóia 20 vezes mais do que em qualquer outra posição. Nessa hora acho que ela descolou um pouco, pois a dor aumentou e a bolsa estorou. Não foi uma enxurrada como eu esperava, pois a Gabi encaixou definitivamente nessa hora, e a médica disse que ela era bem cabeludinha, e de cabelinho preto!
Depois dessa eu pedi arrego e a médica me colocou no soro e me deu buscopan na veia. Que coisa maravilhosa! Não sentia mais a dor nas costas, mas as contrações continuavam. Dormia nos intervalos, aí acordava e via o marido capotado na cama do lado, com uma carinha de anjinho...
E assim amanheceu, e as 6 am eu estava com sete dedos. E aí começaram a chegar outras 'parturientes' no C.O, inclusive as césareas agendadas, mulheres maquiadas e de escova no cabelo. Nessa hora as enfermeiras pediram se eu queria tomar um banho quente pra ajudar, e eu topei na hora. A ducha era maravilhosa, murchei de tanto fica lá, e só saí porque era esquentada por caldeira e desligaram. Novo toque, 8 cm, 9 da manhã. Houve troca de plantão e agora eu estava com o Dr. Glênio, que me mandou de volta pro chuveiro ali pelas 10 am. Fui sorrindo, apoiada no marido e parando a cada contração, agora de 3 em 3 minutos.
E agora vem a melhor parte. Estava lá, embaixo d'agua, e começou a me dar uma vontade louca de fazer força. Sim, força de nº 2, de 'ir aos pés'. Falei pro marido e ele chamou a enfermeira, e quase nem deu tempo de me secar e chegar à sala de parto. Lembro que subi na cama eram 10:50, enquanto o Dr. Glênio se paramentava e falava do Internacional, que havia conquistado o título da Sulamericana a noite anterior. E ainda brincou que nossa menininha nasceria colorada(e acertou!).E aí eu falei que queria empurrar.
E ele me mandou fazer o que eu tivesse vontade, principalmente durante as contrações. E foi uma, duas, e eu perdi a conta... E aí eu senti o 'círculo de fogo'. Doeu, mas compensou. Gabriela nasceu ás 11.05 am, dez minutos após o primeiro 'empurrão'.
Foi anunciada, pesada e medida e veio pro colinho da mamãe, de toquinha e tudo. Pegou a mão do papai e nesse momento eu não sentia nada além de um amor imenso, que cresce cada vez mais, mesmo com todas as dificuldades do dia-a-dia.
E depois disso foi só festa ? Tive que levar três pontinhos de uma mini-episio (acredito que necessária), enquanto papai ficava com Gabi no colo e a levava pra recuperação junto comigo. Ficamos na sala pois não havia quartos(lotação máxima na virada da lua), e ali eu almocei ao lado da minha pequena. Aí papai foi junto pra tomar o primeiro banho, e depois ela mamou e mamou-mamou-mamou. Às três da tarde estávamos no quarto e na sexta feira, depois de 24 hrs do parto, enfim a alta.
E ali, na porta do hospital que eu conheço desde o meu nascimento, eu percebi que nada mais seria igual. Saímos naquele sol escaldante do meio dia de um final de Novembro com aquele serzinho indefeso e totalmente dependente nos braços e realmente nada mais foi igual nesses quase dois anos que estamos juntas!
Te amamos pequena, pra todo sempre!

02 setembro 2010

Mais selinhos!!

Oi gente!
Meio sumida como sempre, mas faz parte da minha rotina a falta de tempo... Meu chefe saiu de férias sexta passada e só volta dia vinte e um, então a correria tá enorme! Mas vamos ao que interessa!
Ganhei mais dois selinhos!
O primeiro veio da Maria Thereza, que tem um blog lindo e uma filhotinha idem, a Lara, que nasceu em 29/08/2010! Ela é uma bonequinha.. Mas voltando ao presentinho, ei-lo aqui:


Bom, eu devo dizer o que é magico pra mim... Lógico que primeiramente eu pensei, ser mãe oras! Mas pensei um pouquinho mais e conclui que mais mágico ainda é a vida. Pois foi ela que me permitiu ser mãe, esposa, filha, amiga e tudo mais. É a vida que me ensinou muita coisa em pouquíssimo tempo, e pra ela sim é mágica. Cada dia mais...

Além desse, ganhei outro selinho da Lua, e este eu nunca tinha visto:

Adorei a iniciativa! E Sim, eu leio muito com a Gabi... Aqui em casa temos pilhas de livros, sejam da faculdade(meus e do marido), os de literatura mesmo e mais os de historinha da Gabi... São muitos!
A Gabi adora, principalmente um grandão que chama "Primeiras 100 palavras", que em cada página traz figuras reais e os nomes. Tem cachorro(au-au), carro(bumbum), trator(bumbum vovô) e muitas outras. Ela também tem dois livrinhos de banho, emborrachados, que tornam o banho diário menos, digamos assim, catastrófico. Ela ganhou recentemente dois pequeninhos, um das cores e outro das formas, e já conhece o roxo (oxo), o vermelho (meio) e o verde(vedi).
Como a Lua, sempre fui muito rato de biblioteca, e tenho uma lista mega grande do que eu já li. Quero incentivar muito a Gabi nesse sentido, já que conhecimento só traz benefícios!

Bom meninas, por hoje é só!

Beijos

25 agosto 2010

Das coisas ruins e boas da vida

Sabe quando você tá cansada? assim, acabada. Peguei uma gripe forte na terça-feira passada, fiquei mal mas mesmo assim tinha aula, trabalho, casa e filha ? Aí fui levando... E pra me ajudar a cidade tá tapada de fumaça, me sinto morando em São Paulo, aí os olhos ardem, a boca seca, a garganta arde, eu fico tossindo igual velho e tudo parece só piorar....

E pra me deixar um pouquinho mais triste hoje minha prima me mandou as fotos do casamento dela. Sim, eu sei que casamento é pra ser feliz, mas é que o pai dela, um tio que eu sempre adorei, faleceu alguns dia após a cerimônia. E hoje, olhando as fotos em que ele entra com ela percebi que ele estava chorando, muito emocionado, e percebi que talvez ele soubesse...Assim como minha , que queria muito viajar para a praia, mesmo doente. Ela foi em uma quarta, voltou na outra e faleceu no domingo seguinte, com o desejo realizado...

Sei que esse blog não é pra falar de coisas tristes, mas quero que a Gabi cresça e saiba que as vezes mamães também ficam tristes e perdem um pouco a paciência.. mas que isso não demonstra falta de amor, pois me sinto transbordando de amor por ela, pelo papai e por todas as pessoas que fazem a diferença na minha vida...

Mas chega de tristeza ? Fiquei beeeem feliz de ganhar meus primeiros selinhos da blogosfera. Aí vão eles:


A regra é dizer em que situação você lançaria esse olhar Garfield pra alguém... E me lembrou de quando eu estava com a Gabi na praça, ela tinha um dois meses e era (como hoje) a cópia exata do pai. Aí uma senhora vem e me pergunta se eu sou BABÁ dela!!!!!!! Sim, lancei esse olhar e larguei um 'Não, é minha mesmo, eu que pari.' E sai andado...ooo povinho metido!

Já esse outro é pra enumerar cinco motivos pelos quais eu amo ser mãe...

Pois bem, eu amo ser mãe porque:
* não há nada melhor do que acordar ao som de um 'mamaiiinn'...
*faz com que você perceba que o mundo vai bem além de seu umbigo e que é bom começar a se preocupar com aquele serzinho lindo e indefeso...
*é tudo de bom ver o maridão cuidando da pequena, ensinando mil coisas, e a maternidade (e paternidade) só nos deixou mais unidos(pois quem aguenta um RN em casa aguenta tudo!)
*ter um filho lhe dá objetivos na vida, lhe ensina a administrar melhor o tempo e faz com que a vida fique mais leve
*e por fim, pois é muito emocionante receber um abraço ou um beijo assim, do nada, simplesmente porque você existe!

20 agosto 2010

Manifesto 2

Eu já fiz um post aqui sobre o manifesto criado pelas meninas do Grupo Cria, que eu apóio totalmente. Hoje recebi um email lindo delas dizendo que já foram 700 assinaturas!! Tá, eu sei que é pouco pro tamanho desta blogosfera, mas adorei saber que eu participei disso, e sem mim seriam apenas 699...

Então meninas, assinem o manifesto no site, é tudo de bom!

Beijooss!!

P.S: recebi dois selinhos lindos, preparando um texto beem especial pra publicá-los! Brigado pelo carinho Lua e Clarinha!

10 agosto 2010

Para o papai...

Sim, este post está atrasado dois dias, mas o papai vai entender né?

Quando se fala em pai, o primeiro que eu lembro, antes mesmo do meu, é o papai da Gabi. Aquele ser durão, que dizia que 'homem não chora nem por dor nem por amor', mas que se derreteu quando você nasceu minha filha. E a partir daquele momento ele se revelou o melhor pai que eu já conheci, pois está sempre presente para o que você precisar.
Foi ele que te ensinou a sorrir, a jogar bola, a brincar de carrinho e de boneca. É por ele que você chama quando acorda, feliz pois ele ainda está deitado. É com ele que você escutou o 'Maiden' que hoje você reconhece, e cada vez que toca, aonde for, você diz 'Papai Maiden'.

E sabe do que mais eu lembro filha? De quando você ainda estava aqui, guardadinha, e papai passava as madrugadas conversando com você, te contando segredos que hoje vocês parecem compartilhar com um simples olhar de cumplicidade. Hoje você faz de tudo com ele, desde dormir abraçada a dançar em cima dos pés dele. E não pode ser a mamãe pra dançar, tem que ser ele!

A relação construída entre vocês é linda de se ver, mas é mais linda ainda de se vivenciar. Me sinto orgulhosa de fazer parte dessa 'mini-familia' e de ver esse amor crescer cada dia mais. Tenho certeza que daqui a alguns anos quando te perguntarem que é teu melhor amigo, tu não vais pensar duas vezes pra responder ; "MEU PAI".

Feliz Dia dos Pais papai!
Te amamos muito!







P.S: Um parabéns também pro 'bisa' Germano, que hoje completa 80 anos!!! E vô, lembra que a gente combinou que você tem que dançar valsa com a Gabi nos 15 anos dela né? Não esquece! Te amamos!

26 julho 2010

Divagando

Pensando na vida, percebi que a Gabi escolheu à hora de vir ao mundo, e não foi só na hora do parto não. Ela não se importou se eu ainda não tinha terminado a faculdade, se eu estava de enrolada até o pescoço em problemas familiares, ou se seu pai e eu não éramos casados. Ela foi o espermatozóide mais esperto, ultrapassou todos os outros, entrou no quentinho do meu útero quando quis e de lá só saiu quando chegou sua hora.
Eu não lidei muito bem com a notícia da gravidez em um primeiro momento. E como poderia, se cada pessoa que ficava sabendo parecia que havia descoberto que eu tinha o meu fracasso bem ali, crescendo em meu ventre? Conto nos dedos de uma mão os parabéns sinceros que recebi, de pessoas amigas de verdade e que encararam a vinda da Gabi como a benção que é. A grande maioria das pessoas que me cercam via minha gravidez como um erro. Aliás, eu cheguei a ouvir isso diretamente: “Poxa, você é tão inteligente, como pôde vacilar desse jeito?” “Esse erro vai atrapalhar teu futuro” e coisas muito piores, impublicáveis aqui.
E olha que eu nem engravidei muito nova, não. São casos e mais casos de adolescentes grávidas, meninas de 13, 14 anos tendo filhos, enquanto eu, do alto dos meus 20 anos à época da gravidez seria considerada velha pra ter o primeiro filho no séc. XIX.
Hoje, filhos parecem ser um mimo reservado para quem tem dinheiro para criá-los... É preciso que se tenha plano de saúde, enxoval milionário, berços futuristas, baba eletrônica, e todo um aparato estritamente desnecessário, já que para criar um filho o que mais se precisa é amor!
Para os que pensam na parte financeira, sim, eu estava ferrada quando engravidei. No meio da faculdade, sem casa própria ou qualquer condições de gastar cinco mil reais em um carrinho de passeio. Mas o bom é que nem mamãe nem papai ligavam à mínima pra isso, pois se não pudermos comprar, emprestamos um carrinho de alguém! Aí me diziam que gastaria um salário mínimo entre fraldas e leite. Mas pra que leite artificial, se mamãe esta aqui, disponível e transbordante de leite natural? E fraldas? Não gastamos 10% do estimado por mês.
Agora, se você acha que primeiro tem que ter muito dinheiro para dar ‘segurança’ ao seu filho, só lamento, mas quando você estiver bem empregada e achar que é a hora, decidirá viajar. Depois, trocar de carro. E de apartamento. E talvez um curso de especialização. E aí, minha amiga, uma hora será tarde demais... Pois o corpo, ao contrário do que pensamos muitas vezes, segue seu curso natural. Podemos esconder rugas com botox e cabelos brancos com tinta, mas o relógio biológico continua seu tic-tac...
Assim, enquanto a maioria das pessoas ao meu redor vê minha filha como um freio, eu a vejo como um motorzinho que me impulsiona a querer sempre mais, a melhorar para que ela tenha uma mãe cada dia melhor. Se ela for uma pedra no meu caminho, é um baita de um diamante. E é pra sempre, como eu sempre quis.

23 julho 2010

Entre nascer e bem nascer...

Acabei de ler esse texto no blog da Lia e não poderia ter achado mais perfeito e pertinente...

Confesso que antes de ganhar a Gabi nunca teria pensado que alguém fazia cesárea por opção, escolhendo o dia e todas essas coisas. Pra mim nascer é natural e, portanto, deve ser feito dessa forma. A única ‘cirurgia para nascimento’ que havia presenciado havia sido da minha irmã, pois a mesma estava em sofrimento fetal e nasceu de 30 semanas...

Sei que para muitas isso é escolha, mas acho de um egoísmo imenso a escolha do nascimento por signo ou data comemorativa, sendo que essa escolha não é nossa e passa por fatores maiores e mais complexos do que podemos entender..

Enfim, fica o belíssimo texto retirado do site do Núcleo Bem Nascer:

POR QUE TER UM PARTO NORMAL?

Uma reflexão sobre o nascimento nos nossos dias

Nos dias de hoje, em que a saúde tem-se beneficiado de inúmeros avanços científicos e tecnológicos, com surgimento de técnicas cirúrgicas cada vez mais seguras, associadas a procedimentos anestésicos e antibióticos de última geração, é comum ouvirmos, não só de mulheres grávidas, mas também de pessoas da comunidade, a seguinte pergunta: Por que ter um parto normal?

Por que ter um parto normal? Se eu posso agendar uma cesareana no dia mais confortável para mim, minha família e meu médico, se posso inclusive consultar os astros e saber o dia de nascimento que trará maior sorte ao meu filho?

Por que ter um parto normal? E passar por um processo demorado, que não posso controlar, não posso prever, não posso me preparar de antemão?

Por que ter um parto normal? E passar horas sentindo dor, me sujar de sangue e líquido amniótico, expor meu corpo e minha vagina num processo tão anti-higiênico?

Por que ter um parto normal? E ter minha vagina alargada pela passagem do bebê, que pode até rasgar tecidos do meu períneo e depois ter que levar pontos no local?

Por que ter um parto normal? Para que ter um parto normal?


Porque o parto normal prepara a mulher para a maternidade. E a maternidade é imprevisível, é incontrolável. Ser mãe é se ver diante de situações para as quais a mulher não foi preparada, e nunca será.

O nascimento de um novo ser é um momento sagrado. A data marcada para sua chegada neste mundo é determinada por fatores ainda desconhecidos por nós, humanos controladores. Talvez nunca iremos saber, mas quais os efeitos da retirada de bebês do útero na hora marcada por seus pais, sem que eles tenham sinalizado que estavam prontos para nascer? Como será esta geração de pessoas que foram “nascidas artificialmente”?

Ao contrário do que muitos pensam, o parto normal pode ser um momento de extremo prazer e crescimento para a mulher, para o casal. Durante as contrações uterinas é liberado o hormônio do amor, a ocitocina, que também é liberado durante o orgasmo feminino. É durante o trabalho de parto que o útero se abre, e este é o único momento em que o útero se abre na vida da mulher, preparando-a para se abrir e se entregar à sua cria.

O parto normal é sim, doloroso, como doloroso é o processo de crescimento de uma mulher que atinge a maternidade plena. E, sabiamente, toda mulher encontra métodos de alívio para suas dores, suas angústias, seus medos. Assim, também, toda mulher encontra métodos de alívio para as dores do parto: posições confortáveis, banhos de imersão, de aspersão, massagens... pessoas.

As pessoas, amadas, escolhidas pela mulher para acompanhar seu crescimento e ajudá-la no enfrentamento das dores femininas, também estarão presentes no seu parto. Seu companheiro, sua melhor amiga, sua mãe. Assim, também, estará lá seu médico obstetra. Este ficará ao seu lado e interferirá somente se necessário.

Este é o parto humanizado: um parto respeitoso, em que a mulher é a protagonista do nascimento do seu filho. Em que a dor não é vista como doença, mas como uma marca do processo de crescimento da mulher, agora mãe.

Um parto em que obstetra e anestesiologista trabalham juntos para que a mulher tenha alívio farmacológico da dor, se assim ela desejar.

Um parto onde o pediatra assiste o recém-nascido sem invadir a privacidade da mãe e do bebê, respeitando este o momento único de reconhecimento dos dois, pele-a-pele, em cima do ventre materno.

Um parto que remete à espontaneidade da criança, à força da mulher, à ligação parental.

Em todo o mundo tenta-se diminuir as taxas de cesareana, que devem ser de 15%, segundo recomendação da Organização Mundial da Saúde. Nos países de primeiro mundo, em cada 10 mulheres, apenas uma tem cesareana. No Brasil, na rede privada, em cada 10 mulheres, 8 têm cesareana.

A cesareana desnecessária rouba da mulher o protagonismo do seu parto. E, se não bastasse, aumenta sua chance de ter várias complicações, como infecções, hemorragia e morte. A cesareana diminui o vínculo mãe-bebê e se associa com maior taxa de insucesso na amamentação. Bebês nascidos de cesareana têm maior risco de dificuldades respiratórias e internação em unidade neonatal.

Depois da primeira cesareana, a chance de ter um parto normal diminui.

Diante de tudo isto, surge, então, uma nova pergunta: Se hoje pode-se ter um parto respeitoso, com alívio da dor por métodos naturais ou com anestesia peridural, se pode-se ter privacidade e companhia de pessoas amadas, se pode-se escolher quais posições ficar no parto, se o parto normal tem tantos benefícios para as mulheres e para os bebês.... por que as mulheres ainda temem o parto normal?

Dra. Quésia Tamara M.F.Villamil
Visite nosso site: www.nucleobemnascer.com.br
Twitter: http://twitter.com/nucleobemnascer


"Para mudar o mundo há que se mudar a forma de nascer" Michel Odent

30 junho 2010

Manifesto





Eu já ouvi que era uma menos mão, pois trabalhava. Também já presenciei uma amiga ouvindo que era menos mulher, pois ficava em casa. E aí? A sociedade decidiu, em algum momento, que nós nunca estamos certas. Outros sempre sabem o que é melhor para nós. Aleitamento materno é bom, pois é natural, mas é condenado porque ‘prende’ a mulher. Parto normal é o correto já que sempre foi assim, mas sempre tem uma que vem e diz que você vai ficar ‘larga’ e perder o marido.

Se você escolheu ser vegetariana, tem suas razões e elas devem ser respeitadas, inclusive quando você decidir implementar este estilo de vida ao seu filho. Se você é naturista, ótimo, ninguém tem nada a ver com suas opções religiosas, sexuais ou de vida. Agora, quando você vira mãe a coisa muda de figura, pois parece que o filho não é seu e do marido, é do mundo! Todos se sentem no direito de tecer opiniões sobre tudo, sejam estas pessoas familiares ou desconhecidos. Poxa, a vida é minha, o filho é meu, eu que pari e eu que decido, capisce?

Por isso eu apoio à campanha aí de cima. Vi no Ombudsmae, que tirou do Grupocria. Amei. Aderi. E mandei o resto do mundo às favas, porque EU SOU MÃE! trabalho, levo a cria na creche, cuido do marido, da casa, estudo, e me dedico a tudo isso, mas acima de tudo tenho a melhor ocupação do mundo, pois ao acordar tenho um sorisso e um 'mamaiiinnnn' me esperando!


"Mãe que dá o melhor de si e convive com a crônica sensação de que nada é o suficiente.

Mãe de carne, osso e vísceras que, ao se perceber humana, sente-se cada vez mais distante do ideal de devoção da Santa Mãezinha. E por isso se culpa.

Mãe mulher, dona de casa, profissional e amante, que segue passo a passo as dicas das revistas femininas para conciliar seus inúmeros papéis e virar “super”, mas ainda não encontrou sua capa.

Mãe pobre que, quando opta pelos filhos, é acomodada. Quando rica, é madame. E, quando profissional, é ausente."

28 junho 2010

Novidades

♥ A Gabi aprendeu a dizer não. Mas é um sonoro ‘NÃO’ pra tudo!


- Gabi, quer mamá? Não, minhãminhã(comida)


- Gabi, dá beijo na mamãe? Não!


-Gabi, hora do banho! Não, não, não, nãaaaao!!


♥ Por que, além de ter vontade própria, a adolescente de 19 meses agora não quer mais tomar banho. Não adianta lavar primeiro a boneca, ter livro de banho, deixar segurar o chuveirinho, ela simplesmente chora, diz quer não e se segura tipo bicho preguiça na hora de entrar na banheira. O jeito foi colocar na banheira chorando mesmo. Aí ela viu o livro(a nova paixão) e parou de chorar instantaneamente. Aí, marídon chega nessa hora e me solta:


- , mas tu não falo que era mais fácil dar banho em um gato do que na Gabi? Não entendi?


Nem eu, marido, nem eu...


♥ Por falar em livro, ela ganhou um bem legal, chamado ‘Cem primeiras palavras’. Cada página (daquelas bem grossas, e papelão) traz a nove figuras e os nomes, Na dos meios de transporte a Gabi já reconhece o ‘vião’(avião), o ‘brumbrum vovô’ (um trator) e o ‘brumbrum papai’ (uma Ferrari no livro - quem me dera papai tivesse um desses filha?). Nos bichinhos ela faz a festa com a ‘cocó’ o ‘auau’ e o ‘miau’, e agora conhece o ‘pexe’ também. Mas pra mim o mais legal é quando ela olha um neném dormindo e faz ‘pixiiiiiiiii, nenê nani’(algo como ‘chega de zona que o bebê finalmente dormiu! Rsrs)


♥ E por ultima, mas um dos mais importantes, a Gabi pegou conjuntivite na creche. Sim, mamãe nem sabia que ‘isso’ dava em bebezinhos lindos. Mas dá. A parte boa é que ela, apesar de ter um olho inchado e pus (uiii, escatológico demais isso) aparentemente não sentia dor, nem colocava a mãozinha no olho, e brincou e comeu normalmente. Foram sete dias de colírio (que deveria ser um dos 12 trabalhos de Hércules, pingar colírio em uma criança dessa idade), e sem ir à escolinha. A prô pediu mil e uma desculpas, papai jurou morte a todas as tias da creche e ao João, coleguinha-passador-de-perebas, mamãe surtou, mas depois se acalmou, e no fim sobrevivemos todos. Amanhã, depois de quase 15 dias ela volta pra escola, porque não dá pra agüentar ela chamado o ‘Uauumm’ (João), a ‘Aade’ (Jade), o ‘Cauuuannn’ (cauã) e o ‘iiito( Vitor) o dia inteiro.